Análises

Análise: CD Eternamente – Cassiane

análise cassiane

Depois de quatro anos sem lançar um projeto inédito, Cassiane lança o álbum Eternamente, que marca sua volta à gravadora MK depois de oito anos. Com o início das gravações em 2014, o disco foi produzido por seu esposo, Jairinho Manhães, e gravado no estúdio do casal, o Reuel Estúdios. Provisoriamente chamado de Minha Essência, seria distribuído pela Onimusic, contudo, após a intérprete voltar para MK Music teve seu título alterado.

Cassiane surpreendeu a todos no ano de 2007 com a notícia que, praticamente, ninguém esperava: sua saída da gravadora MK Music. A cantora afirmou que para Deus tudo tinha um tempo e Ele vinha direcionando-a para essa decisão. No final de novembro do mesmo ano, Cassiane lançou o disco Faça Diferença de forma independente e o resultado foi um sucesso – 100 mil cópias em apenas 15 dias de lançamento – mas a história não parou por aqui.

Logo após, a gravadora mostrou que não aceitou muito bem a decisão de Cassiane e entrou com um processo contra a cantora que foi acusada por formação de quadrilha e teve que retirar todos os discos do mercado, caso contrário pagaria multa por cada CD que fosse encontrado nas lojas. Depois de toda essa confusão, ficou decidido que a intérprete voltaria para entregar um último projeto dando fim, de uma vez por todas, no contrato.

No ano de 2010, Cassiane entregou o álbum Tempo de Excelência como forma de encerrar o contrato com a MK. No entanto, o disco nunca foi lançado no formato físico, somente em formato digital, três anos depois. É nítido que o engavetamento do projeto mostrou-se um desperdício tanto para a artista, quanto para a gravadora. A cantora assinou contrato com a Sony Music Brasil, pela qual lançou dois álbuns inéditos, um projeto de músicas da Harpa, DVD de bastidores, além de um CD e DVD ao vivo composto de canções dos álbuns Viva (2010) e Ao Som dos Louvores (2011), fora o romântico O Amor Está no Ar e três faixas inéditas: “Não vou me calar”, “Avivamento” e “Na orla do teu manto”. Viva, por exemplo, recebeu a melhor certificação de Cassiane desde o álbum 25 Anos de Muito Louvor (2006), disco de platina duplo pela Associação Brasileira dos Produtores de Disco (ABPD).

Em 2015, sem nenhum vínculo com outra gravadora, – após sair da Sony Music depois de lançar o CD e DVD Um Espetáculo de Adoração (2013) – a cantora assinou contrato com a sua antiga gravadora, MK Music, para alegria de muitos e descontentamento de outros. Se comercialmente a cantora vive tempos bons, musicalmente não alcança tanto consenso. Com a entrada na antiga gravadora, fãs mais saudosistas acreditam numa “volta por cima” de Cassiane e seu produtor Jairinho, que surpreenderam o público pela última vez com A Cura (2003). Contudo, ainda é muito cedo para tirar conclusões precipitadas.

Minha Essência, de Tony Ricardo, foi a canção escolhida como single e enviada para as rádios de todo o Brasil. A música fala sobre fidelidade a Deus e em não se deixar ser influenciado pelo mundo. A escolha, certamente, foi equivocada: o CD tem canções muito melhores para serem trabalhadas. Assim como ocorreu em Ao Som dos Louvores certamente acontecerá também aqui, em que a música de trabalho foi “Gritai”, mas o maior sucesso e hit moral daquele álbum foi outro, “Amigo Espírito Santo”, tocada até hoje em diversas rádios e igrejas. Sonoramente, a canção é pop rock, com destaque para a bateria e o baixo, executado por Marcos Natto.

Eternamente, de Marcos Brunet, tem uma letra curta e vertical, tratando sobre o poder de Deus. Destaque para o trecho em que Cassiane canta “Hosana nas alturas e glória em toda terra”, juntamente com um arranjo de cordas e os vocais de apoio, formados por Lilian Azevedo, Josy Bonfim, Hedy Barbosa, Paulo Zuckini e Roby Olicar. Jairinho soube conduzir muito bem seus arranjos nesta canção, fazendo uma música simples ‘roubar a cena’.

Na sequência vem Submisso, escrita por Jonathas Santos e Bruna Dezid. Sem a menor dúvida, é um hit em potencial. O arranjo foi preciso. Destaque para a bateria de Sidão Pires, que se entrelaça bem com a cozinha instrumental, especialmente no trecho “Eu me submeto ao teu querer, a resposta vem da oração, minha vitória tem data marcada, é o tempo de Deus, a vontade de Deus”. Embora seja um tema clichê, a interpretação da cantora agregou valor.

A Oferta Sou Eu, de Tony Ricardo, tem um dos discursos mais importantes do álbum. Contrariando todos os chavões neopentecostais, a canção transgride o antropocentrismo no meio evangélico e reforça a soberania de Deus, ao som de um arranjo suave, com destaque para as cordas e violão.

Composição de Anderson Freire, A Carta traz os elementos que tornaram o músico conhecido pelo país. A letra versa, de forma emocional, acerca do que muitos cristãos passam atualmente. Anderson fez uma boa referência ao falar sobre o Calvário nessa faixa. Cassiane soube dar o tom certo para a música e o resultado final é belíssimo. Merece destaque a frase “Tua vida é uma carta que Deus está lendo para o mundo ouvir”. Essa é, sem dúvidas, uma das melhores faixas do disco.

Compositor dos maiores sucessos de Cassiane nas igrejas, como “Abraço do Noivo” e “Tremendo e Santo”, Rogério Junior é quem assina a próxima canção, Pra Casa Eu Vou. Após dez anos sem uma composição sua nos discos da cantora, a parceria foi retomada em grande estilo, pois é a melhor música do álbum. A faixa fala sobre o arrebatamento e o que a igreja faz enquanto espera a volta de Cristo, “oh, aleluia, ninguém vai roubar minha coroa, eu sei que estou chorando as últimas lágrimas”. Esta canção tem tudo para ser uma das melhores do ano, com ótimos arranjos e uma interpretação marcante da artista.

A Muralha, de Tony Ricardo, lembra aquelas músicas com temática acerca do exército de Deus. Musicalmente, traz todos os elementos clássicos das produções de Jairinho: vocais de peso, arranjo de metais e andamento acelerado. A letra fala que a estratégia dada por Deus para vencer a guerra é a fidelidade à adoração. Em contrapartida, apesar de ter uma letra interessante, se assemelha muito a “Gritai”, single de Ao Som dos Louvores.

Mais uma composição de Anderson Freire, Tempo e Sacrifício conta a história de Jesus, falando sobre sua vida aqui na Terra. Os versos enfatizam que não foi na cruz que o Senhor se entregou, mas foi no Calvário quando a glória deixou, Ele consumou, pensando em nós em todo instante. Se fôssemos fazer um resumo da mensagem dessa faixa, poderíamos dizer que Jesus se sujeitou ao tempo de Deus. E se até Jesus soube esperar o tempo de Deus, por que nós queremos fazer as coisas diferentes? Fica a reflexão. Em seguida, Gigantes, de Jonathas Santos e Bruna Dezid deixa sua marca no álbum.

Meu Ar, de Tony Ricardo, lembra outra composição do cantor, “Amigo Espírito Santo”. Com uma letra congregacional, mostra que nesse CD, Cassiane veio com mais canções neste estilo. Talvez por estar pastoreando uma igreja em São Paulo, a Adalpha – Assembleia de Deus Madureira em Alphaville –, a intérprete e seu marido tenham se influenciado por outros tipos de canções para o louvor das igrejas. A canção ganha brilho ao ser conduzida com piano e um naipe de cordas.

De forma animada, chega a próxima faixa, Vai Dando Glória, de Douglas Alves. Com elementos de forró, recai no gênero que não pode faltar nos discos da artista. Em seguida, Sangue do Cordeiro, de Junior Maciel e Josias Teixeira é uma canção pop rock que chega a lembrar a vibe dos grandes sucessos da cantora. Cassiane soube impostar a autoridade em sua voz para cantar essa música de refrão forte.

Mostra-me Tua Glória, de Vânia Santos é uma canção que vai emocionar muita gente, principalmente, pela letra, que acompanha as modulações instrumentais. O piano, por sua vez, dá espaço aos demais instrumentos. A musicalidade cresce, até atingir seu ápice. Os versos demonstram intimidade, em primeira pessoa: “eu sou contigo, tu és meu filho! Sou teu Deus, sou teu Deus!”. É a mensagem que falta nos discos de muitos cantores evangélicos do cenário atual.

A última faixa é Tome Posse, composta por Tony Ricardo. Seus versos tratam da importância de se receber o milagre de Deus. Embora o título, talvez, sugira que se trate de um forró, a sonoridade é pop. Destaque para a ponte no final, principalmente, na frase “Deus comprou tua causa e não vai recuar”.

Eternamente é um bom disco. O repertório e os arranjos foram bem construídos. É perceptível a significativa melhora da produção musical em relação aos projetos anteriores. Em contrapartida, a influência pop continua, e o álbum retoma, com timidez, a poucos elementos sonoros contidos nos projetos mais antigos de Cassiane.

Tags

Sobre o Autor

Gledeson Frankly

3 Comentários

Clique aqui para deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *